quarta-feira, 29 de abril de 2009

Uma última noite - Nora Roberts

Sinopse
Kasey Wyatt recebe uma oferta de emprego do escritor Jordan Taylor. Como antropologista especializada na cultura dos nativos norte-americanos, a sua função é pesquisar e fornecer referências para o próximo livro do famoso e solitário Jordan. Instalando-se na mansão do escritor, Kasey sente-se aborrecida com as restrições impostas pela mãe do escritor. Mas, sempre vibrante e bem-disposta, começa a explorar os arredores da mansão, divertindo-se e desafiando as regras rígidas da casa.É então que Jordan repara em Kasey. A princípio não se aproxima muito dela, mas o trabalho em conjunto obriga-o a reconhecer que se sente fascinado pela sua beleza... e surpreendido pela sua boa disposição contagiante. Tão contagiante que, pela primeira vez desde a morte do irmão, Jordan sente-se vivo. Mas infelizmente nem todos vêem com bons olhos a aproximação de Kasey e Jordan... e há quem esteja disposta a tudo para os separar.

Comentário de Maria Manuela
A concepção de um livro leva Jordan Taylor a contratar os serviços da antropóloga Kathleen Wyatt (Kasey), através do velho amigo Harry Rhodes.
Assim que a conhece, Jordan sente qualquer coisa nela que o atrai bastante, mas não consegue decifrar o que é.
Nas páginas seguintes, o trabalhar em conjunto permite-lhes irem-se conhecendo melhor mas, simultaneamente, há algo de misterioso em ambos que os continua a atrair. Assim nasce a paixão entre os dois.
O casal teve que enfrentar a desaprovação de Beatrice Taylor, mãe de Jordan que apenas vivia para as festas e eventos sociais, não demonstrando qualquer tipo de carinho ou ternura sequer pela sua neta Alison. Beatrice vivia apenas para ostentar a riqueza e o bom-nome da sua família à sociedade.
A jovem Alison, filha do irmão gémeo de Jordan que já tinha falecido, vive subjugada aos caprichos e vontades da avó. Tudo nela tem que ser perfeito e esquematizado.
A mudança de Kasey para a residência dos Taylor vem alterar tudo isso. Alison e Jordan começam a adoptar comportamentos diferentes dos habituais e Beatrice começa a desaprovar a presença da antropóloga na sua casa.
Com o desenrolar da história, fica-se a saber que também Kasey sofreu como Alison. Em pequena, após a morte dos seus pais, chegou a ir viver para casa de uma tia paterna que era como Beatrice Taylor. Sofreu e fez de tudo para regressar para junto do avô materno, o humilde médico que a acabaria por criar.
Confesso que esperava algo mais desta história. A certa altura, a narrativa desenrola-se em grande parte centrada nos encontros furtivos de Jordan e Kasey.
Mais para o final, há uma reviravolta na história. A decisão de Beatrice Taylor faz mudar o rumo dos acontecimentos, e aqui, quando tudo previa que estivéssemos perante um novo fôlego para continuar a viver esta história… o livro terminou.
Atendendo ao enredo e aos ingredientes penso que esta narrativa poderia ter sido melhor explorada/desenvolvida.

Comentário de Maria Manuel
Este livro, em formato e-book da Nora Roberts, oferecido pela Saída de Emergência, não me prendeu tanto quanto gostaria. Já li alguns livros da autora, nomeadamente trilogias, mas talvez por este ser mais pequeno não teve tanto conteúdo, a história das personagens podia ter sido mais desenvolvida. Penso que a personagem de Kasey, Jordan e Alison teriam uma história bonita para contar e que foi passada para segundo plano pela autora, que apenas incidiu a narrativa na história de amor entre os dois primeiros. Como história de amor não deixa de ser bonita e ao estilo de happily ever after, com Kasey no papel de protagonista, que vai fazer um trabalho sobre antropologia para o novo livro de Jordan e acabam por se apaixonar perdidamente. Pelo meio aparece Alison, filha do irmão gémeo de Jordan, entretanto falecido. No entanto, Beatrice Taylor, mãe de Jordan, ensombra a relação dos dois, e acaba por separar o jovem casal. Mas no fim, acaba tudo bem como num conto de fadas.

Classificação: 2/5

2 Comments:

Livros de Bia said...

Ai ai
Eu adoro Nora Roberts. E, claro... nem mesmo ela pode ser perfeita em tudo! Hehehehe

Bjs

PallasAthena said...

Eu gostei, mas tenho de concordar com vocês quando dizem que podia ter sido melhor explorado.
Bjs e boas leituras.